Receba Grátis Nossas Atualizações

domingo, 21 de julho de 2013

Dinâmica da Lição 04: Jesus, o modelo ideal de humildade (Jovens e Adultos)

,
Professoras e professores, observem estas orientações:
1 - Antes de abordar o tema da aula, é interessante que vocês mantenham uma conversa informal e rápida com os alunos:
- Cumprimentem os alunos.
- Perguntem como passaram a semana.
- Escutem atentamente o que eles falam.
- Observem se há alguém necessitando de uma conversa e/ou oração.
- Verifiquem se há alunos novatos e/ou visitantes e apresentem cada um.
2 - Este momento não é uma mera formalidade, mas uma necessidade. Ao escutá-los, vocês estão criando vínculo com os alunos, eles entendem que vocês também se importam com eles.
3 - Após a chamada, solicitem ao secretário da classe a relação dos alunos ausentes e procurem manter contato com eles durante a semana, através de telefone ou email.
Os alunos se sentirão queridos, cuidados, perceberão que vocês sentem falta deles. Dessa forma, vocês estarão estabelecendo vínculos afetivos com seus alunos.
4 – Escolham um momento da aula, para mencionar os nomes dos alunos aniversariantes, parabenizando-os, dando-lhes um abraço, oferecendo um versículo.

5 – Fazendo o que foi exposto acima, somando-se a um professor motivado, associando a uma boa preparação de aula, com participação dos alunos, vocês terão bons resultados! Experimentem!
6 – Agora, vocês iniciam o estudo do tema.
- Falem: Esta lição de hoje tem como tema “Jesus, o modelo ideal de humildade”.
- Iniciem o estudo desta lição, utilizando a dinâmica “Modelo Perfeito”
- Trabalhem o conteúdo proposto na lição, buscando sempre a participação dos alunos.
Tenham uma excelente e produtiva aula!

Texto Pedagógico:

Como abordar o tema da Avalição da Aprendizagem
Parte II

            Na parte I, foi abordado um aspecto da avaliação relacionado às imagens, informações e opiniões negativas do processo avaliativo, tanto do ponto de vista de quem é avaliado como daquele que avalia, com o objetivo de refletir sobre elas e reconstruir mesmo de forma simples uma concepção diferente de avaliação. Foi ainda indicada a leitura de um texto para conhecer os tipos de avaliação, enfatizando a Formativa ou Processual.

            Nesta parte II, é importante pensar sobre alguns critérios de avaliação da aprendizagem necessários para que a forma de avaliar seja transformadora. Para tanto, utilizarei uma história de Contos de Fada. Não pense que será uma abordagem infantil! Elementos simples e pequenos podem nos levar a grandes e importantes reflexões. Vejamos!
Na História de Branca de Neve, a rainha possuía um espelho mágico para o qual costumava  perguntar:

“- Espelho, espelho meu, tem alguém mais bela do que eu?

E o espelho respondia:
- Não há no mundo mais bela do que vós, rainha.
E a rainha ficava feliz por saber que o que o espelho falava era a mais pura verdade”(Irmãos Grimm).

            Esta é a história que conhecemos. Uma pergunta e sempre a mesma resposta. Uma pergunta e uma abordagem unilateral do processo avaliativo, sempre do mesmo ponto de vista, que não faz mágica na avaliação da aprendizagem!
            Mas, conheçam este outro texto!

ESPELHO, ESPELHO MEU...
“Era uma vez... Uma rainha que vivia em um grande castelo. Ela tinha uma varinha mágica que fazia as pessoas ficarem bonitas ou feias, alegres ou tristes, vitoriosas ou fracassadas. Como todas as rainhas, ela também tinha um espelho mágico. Um dia, querendo avaliar sua beleza também, ela perguntou ao espelho:
            - Espelho, espelho meu, existe alguém mais bonita do que eu?
            O espelho olhou bem para ela e respondeu:
             - Minha rainha, os tempos estão mudados. Esta não é uma resposta assim tão simples. Hoje em dia, para responder a sua pergunta eu preciso de alguns elementos mais claros.
 Atônita, a rainha não sabia o que dizer. Só lhe ocorreu perguntar:
 - Como assim?
- Veja bem, respondeu o espelho. Em primeiro lugar, preciso saber por que Vossa Majestade fez essa pergunta. Pretende apenas levantar dados sobre o seu ibope no castelo? Pretende examinar seu nível de beleza, comparando-o com o de outras pessoas, ou sua avaliação visa ao desenvolvimento de sua própria beleza, sem nenhum critério externo? É uma avaliação considerando a norma ou critérios predeterminados? De toda forma, é preciso, ainda, que Vossa Majestade me diga se pretende fazer uma classificação dos resultados.
E continuou o espelho:
 - Além disso, eu preciso que Vossa Majestade me diga com que base devo fazer essa avaliação. Devo considerar o peso, a altura, a cor dos olhos, o conjunto? Quem devo consultar para fazer essa análise? Por exemplo: se consultar somente os moradores do castelo, vou ter uma resposta. Entre a turma da copa ou mesmo entre os anões, a Branca de Neve ganha estourado. Mas, se perguntar aos seus conselheiros, acho que minha rainha terá o primeiro lugar.
Depois, ainda tem o seguinte, continuou o espelho:
 - Como vou fazer essa avaliação? Devo utilizar análises continuadas? Posso utilizar uma prova para verificar o grau dessa beleza? Utilizo a observação?
Finalmente conclui o espelho:
- Será que estou sendo justo? Tantos são os pontos a considerar...”
(Adaptado de PATTON, Michael Quinn. Utilization-Facused Evaluation. Londres: Sage Pub, 1997, p. 45-46)

Este texto apresenta a mesma pergunta da história original, porém traz uma novidade para avaliar a rainha, afirmando logo no início que os tempos mudaram, apontando que há necessidade de novos critérios para a avaliação: Elementos claros, Dados comparativos, Análise continuada, Observação, Provas, Intenção da avaliação, Atores envolvidos na avaliação.
Por que observar estes elementos? O professor não tem espelho mágico nem varinha mágica, mas deve ficar atento ao que se passa no processo de ensino e aprendizagem, da mesma forma que o espelho fez ao escutar a pergunta da rainha “O espelho olhou bem para ela” para poder responder.
Enfim, para que o processo avaliativo aconteça a contento, é importante que se estabeleça quais critérios de avaliação serão comtemplados, além é claro de uma concepção transformadora de avaliar.  Daí a necessidade de reunir os professores para analisar e decidir conjuntamente que elementos serão utilizados na avaliação na EBD.
_____________________________________________________________________________

Dinâmica: Modelo Perfeito

Objetivo:
Introduzir o estudo sobre Jesus – o modelo ideal de humildade.

Material:
Revistas de moda feminina e masculina
02 cartolinas
01 tubo de cola
01 rolo de fita adesiva
Figuras de roupas antigas
01 cabide
01 peça de roupa feita de papel: o modelo fica ao seu critério, mas sugiro algo simples como um colete e nele deverá estar escrito: humildade e obediência.

Procedimento:
- Entreguem para os alunos revistas de moda feminina e/ou masculina, dependendo do tipo de aluno que você ensina.
- Peçam para que escolham o modelo de roupa que mais gostam e destaquem da revista.
- Solicitem que mostrem para a turma e falem da razão da escolha do modelo.
- Coloquem todos os modelos fixados numa cartolina.
- Perguntem: Estes modelos podem ser utilizados por muito tempo, para toda a vida?
Aguardem as respostas.
Certamente responderão que não.  Aproveitem e falem que os modelos de roupas elas passam com o tempo, pois são vinculados a fatores externos, passageiros, transitórios e passam rapidamente.
Caso alguém tenha respondido que sim, apresentem figuras de modelos antigos.
E agora, perguntem: Vemos nestes modelos: saia, vestido, blusas, camisas, calças, paletós.  Mudaram com o tempo?
Certamente agora todos vão responder positivamente.
- Falem: Há um modelo que podemos copiar e nunca será ultrapassado ou se tornar fora de moda. O modelo não é transitório e encontramos em Jesus.
- Então, apresentem este tipo de vestimenta, pendurada num cabide. O modelo fica ao seu critério, mas sugiro algo simples como um colete e nele deverá estar escrito: humildade e obediência.
- Falem: Temos em Jesus o modelo de humildade e obediência, dois elementos essenciais que acontecem internamente, mas que são refletidos em atitudes externas.
- Depois, leiam:
“... revesti-vos de humildade, porque Deus resiste aos soberbos, mas dá graça aos humildes”(I Pe 5.5b)
 “Revesti-vos pois, como eleitos de Deus, santos e amados, de entranhas de misericórdia, de benignidade, humildade, mansidão, longanimidade”(Cl 3.12).
- Para concluir, segurando o cabide com o modelo ideal pendurado, falem: Esta é uma peça que não pode faltar no seu guarda-roupa.


Por Sulamita Macedo.

0 comentários to “Dinâmica da Lição 04: Jesus, o modelo ideal de humildade (Jovens e Adultos)”

Postar um comentário

 

GOSPEL MAIS

CPADNEWS.com.br

GOSPEL PRIME

Widget gerado por Gospel Prime

Copyright © 2012 | Template design by O Pregador | Powered by Blogger Templates